Ipoema

Conhecida por suas encantadoras paisagens e belezas naturais, Ipoema é um distrito do município brasileiro de Itabira, cidade do poeta Carlos Drummond de Andrade. Essa região é repleta de histórias e tradições assim como a sua riqueza cultural vem desde os seus primórdios.

 

Nos meados do século XVII, quando a Coroa Portuguesa oficializou os caminhos construídos para transporte de ouro e diamantes de Minas Gerais até os portos do Rio de Janeiro, as trilhas que foram delegadas pela realeza ganharam o nome de Estrada Real. O distrito de Ipoema se localizava num ponto conhecido como o Caminho dos Diamantes, que foi criado na intenção de conectar a sede da Capitania, Ouro Preto, à principal cidade de exploração de diamantes, à época, Arraial do Tijuco, hoje, Diamantina. Podemos considerar esse um importante marco histórico para se pensar o desenvolvimento cultural de Ipoema, tal como é hoje.

 

Nos dias hodiernos, a Estrada Real é a maior rota turística do país composta por mais de 1.630 quilômetros de extensão, passando por Minas Gerais, Rio de Janeiro e São Paulo. Com o objetivo de resgatar as tradições do percurso valorizando a identidade e as belezas da região, Ipoema também integra o Circuito do ouro que são os pontos turístico de Minas Gerais que fazem parte da região da Estrada Real.

 

Um primeiro elemento cultural presente em Ipoema está logo na entrada da cidade, o Monumento ao Tropeirismo, uma homenagem à Capital Estadual do Tropeirismo, Itabira. Isso já revela uma forte característica da valorização histórica e do tradicionalismo da cidade. Tem ainda cavalgadas, festas típicas e museus que contam essa história, como a tradicional Roda de Viola, Museu do Tropeiro, Museu da Pharmacia e o Festejo de Santa Cruz.

A tradicional Roda de Viola ocorre, normalmente, aos sábados de lua cheia no período de abril a outubro. Ela reúne dezenas de pessoas a cada encontro e conta com violeiros da região para mostrar, ou melhor, cantar, as suas histórias e de seus ancestrais.

 

Outro atrativo é o Museu do Tropeiro localizado no centro do distrito. Inaugurado em 2003, o museu tem como objetivo preservar a história do tropeirismo na região bem como interagir com a comunidade de Ipoema por meio de manifestações culturais. Atualmente, ele conta com um acervo de mais de 500 peças que retratam a história nacional sobre a origem, costumes e tradições dos homens tropeiros, variando entre exposições fixas e temporárias.

 

Já o Museu da Pharmacia conta com um acervo centenário que pertencia a José Gomes da Silveira, farmacêutico formado em Ouro Preto em 1906. Sendo um dos apenas cinco museus sobre farmácia no Brasil, seu valor histórico é atemporal e hoje quem se responsabiliza por manter essa memória viva é o neto de José, Tomás Gomes – que inclusive também foi responsável pela mobilização social em prol da institucionalização do Parque Estadual Mata do Limoeiro.

 

Outro importante aspecto cultural de Ipoema é a Caminhada da Festa de Santa Cruz. Essa é uma tradição centenária que consiste numa caminhada de fé que acontece anualmente. Esse costume é oriundo de um movimento religioso que começou por volta de 1910, quando os fiéis oravam no Dia da Santa Cruz, aos pés do cruzeiro cuidado por Sá Chiquinha, no Morro Redondo. Na atualidade, os peregrinos se dispõem a caminhar aproximadamente 13 quilômetros do centro do distrito até o mirante natural do Morro Redondo, onde celebram a Missa dos Peregrinos.

 

Ao longo do caminho, estão os “passos”, cruzeiros de quatro metros de altura que demarcam cada quilômetro da estrada que liga Ipoema ao Morro Redondo. Como manda a tradição, os cruzeiros são decorados em louvor à Santa Cruz e cada um possui um padrinho que é responsável por sua decoração. A cada cruzeiro que se passa, os peregrinos encostam seus cajados nos Passos pedindo bênçãos. Batuques, marujada e outras atrações populares também fazem parte desse festejo.

 

Enfim, Ipoema é uma região que tem muita memória e história para contar. Por causa de suas raízes, possui tradições e costumes passados de pais para filhos que permanecem ainda nos dias de hoje. Sem dúvidas, este local é um berço cultural muito importante para o estado de Minas Gerais e para o desenvolvimento de sua cultura bem como carrega consigo contribuições muito significativas para a história do Brasil.e

Escrito por Kathléen Carneiro

Escritora e  bibliotecária.

 

Deixe uma resposta